Costura fina

1

Desde 2003, o Ateliê397 alimenta o fogo do caldeirão artístico numa casinha típica da Vila Madalena – que une simplicidade à complexidade de significados que tenta traduzir e viabilizar. Capitaneado pelos comunicadores Marcelo Amorim e Thaís Rivitti, uma equipe de cinco artistas propõe formas, cada um em seu nicho, de iluminar exposições e projetos que correm fora do circuito tradicional de galerias. São eles: Maikon Rangel, Yudi Rafael, Sérgio Pinzón, Leonardo Stroka e Pedro Gallego.

“Buscamos links entre o conteúdo de projetos, exposições e, a partir disso, tentamos financiamento”, explica o colombiano Sérgio Pinzón, responsável pelas relações internacionais. “Costumamos promover encontros para discutir modos de fazer as coisas acontecerem”, diz. “O foco é arte contemporânea.”

Atualmente com a exposição “Dirty Looks NYC”, plataforma para filmes queer, vídeo e performance – cujo curador Bradford Nordeen esteve presente na abertura –, o Ateliê397 costura pontos radicais que vão desde a possibilidadade de transformação do Rio Tocantins até a cirurgia de mudança de sexo. Tudo com o objetivo de discutir identidades construídas no campo da arte. Leda Catunda, Nino Cais, Laura Andreato e outros expoentes da arte experimental já passaram por lá.

 

Atelie397
Rua Wisard, 397
Atelie397.com

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s